Menu Principal

História

Atividades

Livraria

Cursos

Estudo On-Line

Login




Designed by:
SiteGround web hosting Joomla Templates
Instituto de Cultura Espírita Carlos Bernardo Loureiro
Vídeo sobre Anomalias PDF Imprimir E-mail
Ter, 08 de Dezembro de 2009 09:53

Na última segunda-feira, 07 de dezembro, a presidente desde Instituto, Cristiane Amaral, exibiu um vídeo sobre anomalias, sempre à luz da Doutrina Espírita. Sempre válido o esclarecimento feito pela própria de que tal iniciativa não é nenhuma exibição ou sensasionalismo, mas apenas a evidência do que o nosso corpo reflete, sim, as consequências dos nossos atos e pensamentos, seja nesta encarnação, seja em pregressas.

Portanto segue abaixo o link para que os interessados possam efetuar o downlaod do vídeo que foi exibido durante a palestra do referido dia. O áudio da palestra pode ser escutado em nossa seção de "Estudo Online", no final do menu à esquerda. Há também o canal no YouTube, que traz as gravações em vídeo das palestras das segundas-feiras.

Faça o download do vídeo sobre anomalias - 228,32 MBytes

Acesso o canal ICECBL no YouTube

 
Seminário - A Bíblia e Seus Absurdos PDF Imprimir E-mail
Seg, 26 de Outubro de 2009 08:48

Divulgação do SeminárioEste Seminário tem como marca particular o maior exemplo de desmistificação feito por um Espírita Kardecista e pesquisador nato. As homenagens aos trabalhos de Carlos Bernardo Loureiro sempre nos trazem uma satisfação ímpar para nossa história como Espíritos reencarnados. Assim, como apresentação deste folder nada mais que a opinião que ele escolheu para início do seu texto e suas próprias palavras:

“Opinião do Filósofo León Denis sobre o Deus da Bíblia

Deus é apresentado na Bíblia sob aspectos múltiplos e contraditórios. Dizem-no o melhor dos pais e fazem-no desapiedado para com os filhos culpados. Atribuem-lhe a onipotência, a infinita bondade, a soberana justiça, e rebaixam-no até o nível das paixões humanas, mostrando-o terrível, parcial, implacável. Fazem-no criador de tudo o que existe, dão-lhe a presciência, e, depois, apresentam-no como arrependido de sua obra.

... Não se pode considerar a Bíblia como A PALAVRA DE DEUS nem um revelação sobrenatural”.

Trecho do prefácio do livro: A Bíblia e Seus Absurdos

“Ao longo da análise que fiz, de versículo a versículo, houve momentos em que pensei em desistir, diante dos quadros terríveis que se sucediam ante os meus olhos. Vi, estarrecido, entre outros absurdos, três mil israelitas serem massacrados porque preferiram um “bezerro de ouro” Àquele “Deus” autoritário e impiedoso. Os gritos de clemência dos apóstatas ecoaram, lugubremente, pelas planícies, ao pé do Monte Sinai. “Deus”, implacável, iracundo, exigia vingança! O sangue jorrou sobre a Terra, como se não fosse estancar jamais.

E tantas outras carnificinas “presenciei”, horrorizado. Que “Deus” é esse? Por que tanta ânsia sangüinária? Era sempre insatisfeito; queria sangue, e mais sangue, que jorrava, abundante, dos pescoços de crianças, de idosos degolados e de animais!

Nada demovia “Deus” de seus instintos assassinos. Era implacável a sua ira, tanto quanto para com os seus “filhos”, quando o traíam, como para as populações vencidas nas guerras que promovia. A sua ordem era, sempre, PASSAR A FIO DE ESPADA TUDO O QUE VIVESSE na cidade conquistada, eles também têm sangue!...

Entrego, com tristeza, esta obra ao público. É a primeira vez que, ao concluir um livro, me sinto deprimido, acabrunhado. Perdoe-me, caro leitor, por fazê-lo compartilhar do meu mais profundo desgosto em assistir, absolutamente impotente, ao que os homens fizeram de Deus, transformando-O À sua imagem e semelhança. Esse “Deus” algoz deveria ter ficado no passado histórico dos hebreus. Ali, de qualquer sorte, ele age com desenvoltura, entre um povo extraordinariamente belicoso, pleno de ambições, que não vacila em fazer prevalecer os seus avassaladores objetivos.

Não se pense que sou um blasfemo, que nutro ojeriza ao conteúdo do Velho Testamento; em absoluto! É que não posso aceitar um “Deus” que promove, como “Senhor dos Exércitos”, crimes hediondos, levando o “povo eleito” à prática de terríveis atitudes perante o seu próximo. Nos estandartes das tropas israelitas deveria ter inscrita, em letras indeléveis, vistosas, rubras: OLHO POR OLHO, DENTE POR DENTE!”

Cristiane Amaral
21/04/2009 às 15:35h

 
O Processo Obsessivo PDF Imprimir E-mail
Ter, 19 de Maio de 2009 08:58

A obsessão apresenta características bem diversificadas, desde a simples influência moral sem sinais exteriores perceptíveis, até a perturbação total das faculdades mentais e do organismo.

A obsessão poderá ocorrer nas seguintes formas:

  1. Espírito desencarnado atua sobre o encarnado;
  2. Espírito desencarnado atua sobre o desencarnado;
  3. Espírito encarnado atua sobre o desencarnado;
  4. Espírito encarnado atua sobre o encarnado;

Assim como as enfermidades são resultantes das imperfeições físicas, que tornam o corpo acessível às influências perniciosas exteriores, a obsessão sempre é o resultado de uma imperfeição moral. A uma causa física, opõe-se uma força física; a uma causa moral, é mister contrapor-se uma força moral. Para se prevenir contra as doenças, fortifica-se o corpo; para se garantir contra a obsessão (flagelo da humanidade), é necessário fortalecer a alma. Daí ser preciso que o obsidiado lute, com determinação, para renovar-se, tentando mudar as suas posturas mentais e sociais.

Deve-se observar, a propósito, que a desobsessão, levada a efeito nas casas espíritas, é de fundamental importância para o reequilíbrio do obsidiado; entretanto, se ele não fizer a parte que lhe compete, como assinalamos acima, o tratamento desobsessional a que se submeteu termina por se estiolar, ensejando, até mesmo, o recrudescimento da ação perniciosa do obsessor. Não foi sem razão que Jesus, o Mestre das Almas, advertiu:

 "Ora havendo o Espírito mau saído do homem, anda por lugares áridos, buscando repouso e não o encontra.

Então fiz: voltarei para minha casa, de onde saí. E, chegando, acha-a desocupada...

Então vai e leva consigo outros sete Espíritos piores do que ele e, entrando, habitam ali; e o último estado desse homem vem a ser pior do que o primeiro" (Mateus, 12).

 

Carlos  Bernardo Loureiro, in A Obsessão e Seus Mistérios, 4ª Edição

 
Disque Aborto PDF Imprimir E-mail
Qui, 19 de Fevereiro de 2009 13:44

A prática do aborto criminoso está se generalizando no mundo inteiro. Vários países já oficializaram esse crime hediondo. Na Suécia, Dinamarca e Noruega, o aborto é praticado até por simples razões econômicas. No Japão e em grande parte dos países comunistas o aborto não sofre nenhuma restrição e somente em 1966 houve dois milhões de abortos na Terra do Sol Nascente... Nesses vinte anos já trucidarem, aí, mais de quarenta milhões de seres completamente indefesos.

Nova Iorque é cognominada, na atualidade, a Capital do Aborto a ponto de um hospital local instalar telefones especiais para melhor atender à sua clientela com o “slogan” – Disque Aborto.

Em um hospital do Brooklin (Nova Iorque) a cada 15 minutos se pratica um aborto, a ponto de estarrecer um médico que confessou: “O bebê é removido e colocado numa bandeja para morrer”. Aí é também utilizado o método de “sucção por vácuo”. O serzinho, completamente indefeso, sai, do útero materno (sua câmara da morte), em pedaços e jogado no lixo, como se fosse algo sem vida.

Até mesmo na austera Inglaterra, o aborto generalizou-se, sendo legalizado em 1968. Seguiu-se, na velha Albion, um ritmo de liberalidade tão grande que não faz muito tempo a London Agency anunciava: “Visite Londres, suas clínicas, seus hospitais. Viagem de ida e volta por U$1,250 inclusive o aborto”. J. B. Lyra, num artigo intitulado Contra a Nefanda Lei do Aborto, narra o depoimento de uma enfermeira de um determinado hospital de Londres: “Está diante de mim um ser pequeno e impotente ligado à mãe pelo cordão umbilical. É um menino, de cor rósea, muito bem formado. Estava ali e gemia. Quando o toquei, agitou as mãozinhas. Era uma cena que desafiava os instintos maternais de qualquer mulher. E eu, enfermeira, notei que se me revoltavam os sentimentos diante do crime que se perpetrava contra um ser absolutamente indefeso. E ele, em vez de passar aos braços de sua mãe, para ser acariciado e amado, foi atirado, sem piedade, estupidamente, a um balde de metal. E eu o contemplei, sem poder fazer nada, estertorando-se no fundo do recipiente, só e abandonado. Dava-se fim a uma vida que não teve tempo de começar”

No livro Ação e Reação, o Espírito André Luiz reporta-se ao aborto provocado nos seguintes termos: “A mulher que promove ou que venha a cometer semelhante delito é constrangida por leis irrevogáveis a sofrer alterações deprimentes no centro genésico de sua alma, predispondo-se, geralmente, a dolorosas enfermidades, quais sejam a metrite, o vaginismo, a metralgia, o infarto uterino, a tumoração cancerosa, flagelos esses com os quais, muitas vezes, desencarna, demandando ao Além para responder, perante a Justiça de Deus, pelo crime praticado. É então que se reconhece rediviva, mas doente e infeliz, porque pela incessante recapitulação mental do ato abominável, através do remorso reterá por longo tempo a degenerescência das forças genitais”. Além disso, as mães que praticam tal ato podem contrair sérios problemas obsessivos que as levam, não raro, a uma vida de dor e sofrimento.

Finalizando, adiantamos que todos aqueles envolvidos no crime – mãe, pai, ou executor – estarão violando a Lei Divina que se inscreve, indelével, em suas consciências...

 

Carlos Bernardo Loureiro, em 23/03/2005

 
Lançamento: Os Investigadores da Alma e do Espírito PDF Imprimir E-mail
Sex, 02 de Janeiro de 2009 09:17

Lançamento :: Os Investigadores da Alma e do EspíritoJá está oficialmente lançado o livro do grande pesquisador espírita Carlos Bernardo Loureiro. O lançamento oficial aconteceu durante o seminário "A Visão Espírita da Morte", no último dia 22 deste mês, à presença de pessoas interessadas no estudo sério acerca do fenômeno da morte - apenas mais uma etapa na existência do Espírito.

Quem estiver interessado em adquirí-lo, pode enviar um email para Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. e solicitar os dados para depósito do valor do livro (R$70,00) acrescido das despesas de envio. Uma oportunidade para ter acesso à 1ª edição de uma obra histórica, tanto pela sua importância individual, quanto pelo papel que desempenha dentro do conjunto da obra de Carlos Bernardo Loureiro.

Esta primeira edição é em formato 23,0 x 16,0 x 4,2 cm, contando com 868 páginas dedicadas à apreciação dos trabalhos de 143 pesquisadores, além de contemplar um capítulo dedicado ao autor e suas pesquisas, um outro aos Pesquisadores Pré-Kardecianos; introdução do próprio autor e prefácio de Cristiane Amaral, presidente deste Instituto. Também está à disposição, ao final, vasta lista de referências bibliográficas, para os interessados. Abaixo, o prefácio do livro:

Leia mais...
 
<< Início < Anterior 11 12 Próximo > Fim >>

Página 12 de 12